AARB na Imprensa

Telemedicina pode contribuir para a saúde dos pets

Em veículos da imprensa, o presidente-executivo da AARB comenta sobre a resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária, que regulamenta o uso de telemedicina e os receituários de medicamentos controlados por meio de certificado digital ICP-Brasil.

Pixabay

resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária, que regulamenta o uso de telemedicina para a prestação de serviços veterinários, pode contribuir para o aumento dos cuidados com a saúde dos animais de estimação. A medida visa diminuir a burocracia e idas desnecessárias às clínicas, do mesmo modo da telemedicina com os humanos.

Com a crise econômica, muitos donos de pets deixaram de dar a atenção necessária aos animais e passaram a visitar menos o veterinário. Segundo pesquisa encomendada pela Comac (Comissão de Animais de Companhia), do Sindan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal), com 732 veterinários de cães e gatos, 37% observaram um orçamento limitado dos cuidadores; 23% identificaram diminuição no número de consultas/internações e 11% uma queda nos cuidados com os animais de modo geral.

Com a nova tecnologia será possível realizar uma teletriagem para identificar e classificar situações que, a critério do médico-veterinário, indiquem a possibilidade da teleconsulta ou a necessidade de atendimento presencial.

“A resolução dá ao profissional a autonomia de decidir quanto ao uso da telemedicina veterinária, inclusive para a sua impossibilidade, considerando questões éticas e de segurança para a saúde do animal. Assim como na medicina humana, as novas tecnologias vêm para somar e devem ser utilizadas com responsabilidade”, enfatiza o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), Odemilson Donizete Mossero.

Receituários

A prescrição a distância deverá conter, obrigatoriamente, identificação do médico-veterinário, incluindo nome, CRMV, telefone e endereço físico e/ou eletrônico; identificação e dados do paciente e do responsável; registro de data e hora do atendimento; e uso de assinatura eletrônica avançada ou qualificada para emissão de receitas e demais documentos.

Receituários de medicamentos sujeitos a controle especial somente serão válidos quando subscritos com assinatura eletrônica qualificada, por meio de certificado digital ICP-Brasil.

“Percebemos o quanto podemos avançar com estas medidas, já que muitos atendimentos podem ser otimizados, dando prioridade aos que realmente necessitam. A contribuição da tecnologia é imensa, mas sem a segurança necessária as iniciativas se tornam inócuas. A criptografia contida no certificado digital proporciona autenticidade e sigilo das informações. O exemplo da medicina tem que ser seguido em outras atividades”, diz o presidente-executivo da Associação das Autoridades de Registro do Brasil (AARB), Edmar Araujo.

REPERCUSÃO NA IMPRENSA

VALOR ECONÔMICO

TERRA

FOLHA VITÓRIA

AGÊNCIA ESTADO

PORTAL ENTRE CIDADES

AGÊNCIA TOCANTINS

AGÊNCIA O GLOBO

ANIMAL LIVRE NEWS

ACONTECE NO RS

PORTAL IG

AQUI EM GOIÁS

BAHIA JORNAL

MANCHETE UBERLÂNDIA

RELATA BAHIA

BELÉM NEGÓCIOS

PARANÁ DIVULGA

PANTANAL EM DIA

DEBATE PARAÍBA

MS CIDADE

JORNAL PONTA GROSSA

AQUI NA BAHIA

A GAZETA WEB

BOM DIA CIDADE

TRIBUNA PIAUÍ

CEARÁ EM PAUTA

PORTAL SEGS

OLHAR DA CIDADE

TV CAETÉ

OVER BR

MUSTACH

OESTE 360

RCW TV

JORNAL DA CIDADE

Leia também

Mais notícias

Serviços

Consultas Processuais
Consulta Jurídica
Clipping do DOU

Convênios

eGAC
pki
Gemalto
CryptoID
Insania
Insania
GD Giesecke+Devrient
Serpro
YIA
Class One