Notícias

Nova certificação digital gera economia de 73% ao Estado e traz mais benefícios para usuários

Assinatura on-line de documentos contribui para eficiência na prestação de serviços e facilita acesso pelo cidadão 

 

A contratação do novo serviço de Certificação Digital do Estado, feita pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) em parceria com a Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), vai promover uma economia de 73%, em comparação com os preços praticados no mercado. O processo de assinatura digital de documentos, além de beneficiar órgãos, entidades e servidores estaduais, também traz inovações tecnológicas que se adaptam ao atual momento, em que a maioria dos procedimentos é feita de forma remota. 

A economia na contratação do serviço é referente aos valores de referência. Ao fazer a licitação para a escolha da empresa certificadora, o preço médio praticado no mercado era de R$ 3.780.367,20. Após a realização do processo com o valor total negociado e homologado, esse preço caiu para R$ 1.025.141,00. Além disso, a nova certificação também está incorporando mais modelos e vantagens para o usuário final. 

O Pregão Eletrônico relativo ao processo licitatório 62/2021 foi homologado este mês e a ata de registro de preços foi publicada no dia 18 de agosto. A empresa vencedora do certamente, que ficará responsável pelo serviço, é a Certisign Certificadora Digital. 

Certificado digital

O certificado digital é uma espécie de documento eletrônico, que funciona como um RG de pessoas físicas e jurídicas e confere validade jurídica nas transações on-line, servindo como uma identidade virtual. Quem explica é a especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, Natália Caroline Ferraz, que atua na Diretoria Central de Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação da Seplag. 

“Com este serviço, é possível assinar documentos digitalmente, emitir nota fiscal e ter acesso a sistemas eletrônicos restritos, além de fazer diversas operações remotamente com validade jurídica. O certificado digital é utilizado por todos os órgãos e entidades de Minas Gerais, por isso, a economia de milhões de reais obtida após o pregão vai beneficiar cerca de 51 unidades”, detalha. 

Segundo o diretor-presidente da Prodemge, Roberto Reis, a companhia detinha exclusividade na emissão de certificados digitais para o Governo de Minas, por meio do decreto 43.888/2004. 

“Estudos feitos pela Prodemge e validados por seu Conselho de Administração demonstraram que esse serviço deveria ser desestatizado. Dessa forma, a companhia apoiou a Seplag na elaboração do edital. A realização do pregão confirmou a expectativa dos estudos, ao propiciar redução de custos na emissão de certificados digitais para os órgãos e entidades do Governo de Minas”, explica Reis.

Economia

A principal demanda desse tipo de serviço em Minas Gerais é referente ao Certificado A3 para pessoa física (A3 e CPF). Ainda de acordo com Natália Ferraz, o valor praticado no mercado para a emissão desse documento armazenado em token é de R$ 115. Com a homologação, no entanto, o preço caiu para R$ 47. 

Inovações 

Outra novidade que foi possível trazer com este planejamento é a incorporação de novos modelos de certificado que não eram contemplados no contrato atual. “São os certificados A3 para pessoas físicas e jurídicas armazenados em nuvem. Neste caso, o documento fica armazenado de forma virtual em servidores da empresa contratada e pode ser acessado por meio de qualquer dispositivo móvel com acesso à internet”, conta Natália. 

Além disso, o novo modelo não é mais condicionado à validação presencial dos dados. Agora, o procedimento pode ser feito via videoconferência, processo que abrange quase todas as demandas do Estado. 

Isso é possível por meio do acesso aos dados do requerente que já possui cadastro no Sistema Biométrico ICP-Brasil (PSBio), ou seja, para quem já solicitou o serviço presencialmente alguma vez. Já para aqueles que não estão inscritos, a verificação biométrica e biográfica do requerente será submetida às Base Oficiais Nacionais admitidas da ICP-Brasil. 

São elas a base de dados da Identificação Civil Nacional (ICN), mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – para os requerentes que já tiverem feito o cadastro biométrico do título de eleitor –, e a base de dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) – para os requerentes que possuem o modelo atual de Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Agência Minas

 

 

Leia também

Mais notícias

Serviços

Consultas Processuais
Consulta Jurídica
Clipping do DOU

Convênios

eGAC
Accor
Auditsafe
pki
Gemalto
CryptoID
Insania
Insania
GD Giesecke+Devrient
Serpro